Sertanejo Sem Fronteira
04:00 às 08:00
Altinópolis, Quarta-Feira, 24 de Janeiro de 2018
BNDES quer derrubar Wesley Batista do comando da JBS

25 de Agosto de 2017

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) ajudou a impulsionar a carreira do presidente-executivo da JBS, Wesley Batista, de dono de açougue até chegar a ser o magnata da carne mais poderoso do mundo. Agora o banco está fazendo de tudo para retirá-lo da companhia. O banco estatal controla 21% da JBS, enquanto os irmãos Wesley e Joesley Batista são donos de 42%.



O acordo de delação premiada em maio, que expôs a propensão da bilionária família Batista a subornar políticos, levou a BNDESPar, braço de investimento do banco estatal, a buscar retirá-lo da JBS. O banco culpou sua conduta pela queda de 28% do valor das ações da empresa neste ano.



Ambos os lados estão aumentando seus esforços para influenciar os acionistas da JBS antes da assembleia geral em 1º de setembro, que decidirá o destino de Wesley, que está no comando da empresa desde janeiro de 2011 — quando substituiu o seu irmão mais novo Joesley.



O confronto é uma lembrança das relações próximas entre agentes públicos, a JBS e a família Batista, e o apoio que Wesley ainda possui entre alguns dos acionistas da companhia. Além da saída de Wesley da presidência-executiva, os acionistas também votarão resoluções para processá-lo juntamente com outros executivos.



Embora o resultado seja difícil de prever, quase uma dúzia de banqueiros, insiders e investidores da empresa, que pediram para permanecer anônimos, não compraram completamente o argumento de Wesley, feito em reuniões com investidores em Nova York este mês, de que somente ele é capaz de finalizar duas vendas de ativos e listar em bolsa a subsidiária dos Estados Unidos no próximo ano.



Nessas reuniões, Wesley enfatizou seu sucesso recente em fechar um acordo de refinanciamento de dívida de 6,5 bilhões de dólares e garantir o fornecimento de gado com fazendeiros apesar das preocupações de que seu acordo de delação reduziria o caixa da JBS, disseram os investidores.



Ao mesmo tempo, Wesley sugeriu que está aberto a demitir-se uma vez que conclua uma lista de negócios em sua agenda, disseram três fontes. Ele também disse que os resultados do terceiro trimestre poderiam estar entre "os mais fortes" na história da JBS por causa da recuperação da Seara e sólidas operações nos EUA.



Em uma declaração à Reuters, a JBS disse que "tem trabalhado intensamente para adotar várias medidas que visam proteger os melhores interesses da empresa e dos acionistas". A empresa não quis fazer comentários adicionais.



Enquanto alguns investidores elogiaram as habilidades de liderança do executivo de 47 anos, um deles ressaltou que um racha com o BNDES poderia ser prejudicial se Wesley permanecer. Os acionistas minoritários da JBS incluem fundos de previdência e fundo mútuos como Fidelity Investments e Vanguard Group.



Os representantes do BNDES têm tentado agressivamente convencer os investidores de que Wesley não é adequado para administrar a JBS, disseram quatro pessoas familiarizadas com a estratégia do banco. Se necessário, o BNDES, que tem uma participação de 21% na JBS, poderia solicitar à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) que proíba os Bastistas de votarem na assembleia de 1º de setembro, disse um deles. Wesley e Joesley Batista controlam 42% da companhia.



Contato: 16 3665.2000
Rua Rio Grande do Sul, 45 - Jardim Xavante - Altinópolis/SP
Todos os direitos reservados